Geral Deputado Barbosinha

Barbosinha endossa projeto que proíbe bancos de oferecer empréstimos a aposentados por telefone

Chovem empresas de crédito, bancos e grupos financeiros oferecendo o chamado ‘dinheiro fácil’, que se constituem em empréstimos que acabam por dilapidar o capital que passa a ser a única renda desse segmento”, observou Barbosinha.

16/06/2021 10h50
Por: Redação Fonte: Assessoria de Comunicação
Barbosinha endossa projeto que proíbe bancos de oferecer empréstimos a aposentados por telefone

Projeto de lei, que já mereceu defesa acentuada por parte dos deputados Evander Vendramini (PP), Marçal Filho (PSDB) e Renato Câmara (MDB), ganhou nesta semana o reforço do deputado Barbosinha (DEM) em defesa dos aposentados e pensionistas, considerados ‘presas fáceis’ de bancos e instituições de crédito que buscam, via telefone, oferecer e contratar empréstimos de várias modalidades a esse segmento.

Ao subscrever também a propositura, que agora vai tramitar pelas instâncias legislativas da Assembleia de Mato Grosso do Sul, de forma conjunta, na forma do PL (Projeto de Lei) 131, de autoria do deputado Vendramini, subscrito pelos colegas douradenses, Barbosinha defendeu a necessidade de uma campanha intensiva nesse sentido.

“O aposentado, ou pensionista, se transforma em alvo preferencial dos agentes financeiros tão logo passe da condição de trabalhador da ativa para o merecido descanso após tantos anos de trabalho. Chovem empresas de crédito, bancos e grupos financeiros oferecendo o chamado ‘dinheiro fácil’, que se constituem em empréstimos que acabam por dilapidar o capital que passa a ser a única renda desse segmento”, observou Barbosinha.

Pelo Projeto de Lei, as instituições de crédito ficam proibidas de ofertar e celebrar, por telefone, contrato de empréstimos de qualquer natureza, com aposentados e pensionistas, no âmbito do Estado de Mato Grosso do Sul, onde, inclusive, neste mês, ocorre o Junho Prata, a oportunidade para se discutir a violência contra a pessoa idosa, nas suas diferentes vertentes, entre elas, a violência financeira que envolve trotes, fraudes pela internet e até extorsão.