Brasil Brasil

'Brasil acompanha ritmo de vacinação mundial', diz Mourão

Vice-presidente lamentou recorde no número de mortes por covid-19 registrado ontem e culpou as festas pelo aumento no contágio

04/03/2021 09h10
Por: Redação Fonte: R7
Para Mourão, festas clandestinas foram as principais responsáveis pela piora do Brasil na pandemia - (Foto: Romério Cunha/VPR - 19.08.2020)
Para Mourão, festas clandestinas foram as principais responsáveis pela piora do Brasil na pandemia - (Foto: Romério Cunha/VPR - 19.08.2020)

Um dia após o Brasil ter batido novo recorde no número de mortes (1.910) registradas em 24 horas por covid-19, o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, lamentou a piora no quadro pandêmico nacional, mas afirmou que o país está dentro da média mundial para o ritmo de vacinação.

"Nós estamos avançando na vacina. Vamos lembrar o seguinte: dado de ontem: 3,5% da população mundial tinha sido vacinada até o momento. Nós estamos com 3,7%, então, estamos dentro da média do mundo. É óbvio que um país do tamanho, das dimensões entre população e território é pouco, mas a perspectiva para frente é que nós vamos ter uma continuidade na chegada de insumos e a fabricação. E, posteriormente, com a tecnologia aqui, que é o acordo aí da AztraZeneca, a Fiocruz fabricando, nós vamos entrar num modo continuo de vacinação", afirmou.

Dados mais atualizados desta quinta-feira de manhã demonstram que, até o momento, a primeira dose foi aplicada em 3,49% dos brasileiros, enquanto que apenas 0,96% dos cidadãos daqui receberam segunda. A média mundial indica 3,5% de doses aplicadas em geral.

Mourão culpou as festas de fim de ano e as aglomerações clandestinas pelo quadro atual da pandemia e acredita que os próximos dez dias serão ainda piores.

"Lamentável isso aí, né (número de mortes)? Nós estamos aí com uma situação complicada, fruto de uma sequência de eventos. Entrou o verão, férias de verão, apesar da turma não ter tido praticamente atividades extras ano passado. Período de festas de Natal, de Ano-Novo, pessoal se reúne aí... Carnaval, apesar de não ter tido muita coisa acontecendo, muita festa ocorrendo nas cidades... Lamentavelmente a gente tem essa notícia. Eu acredito que pelos próximos dez dias nós vamos ver um pico aí e depois vai arrefecer a situação", opinou.

Os números do Ministério da Saúde, reportados pelos Estados, indicam que o total de mortos nesta pandemia, até esta quarta-feira (3), havia chegado a 259.271. A quantidade de casos acumulados era de 259.271. Deste total, cerca de 9,5 milhões já se recuperaram da doença segundo a pasta do governo federal.

A situação tem levado Estados, como São Paulo, a adotar medidas mais rígidas de distanciamento e restrição da circulação de pessoas, além de proibição de funcionamento de estabelecimentos comerciais e de serviços. A partir deste sábado, São Paulo entrará na fase vermelha, a mais rígida do plano de contingência do governo estadual.

PEC Emergencial

Sobre a aprovação, em primeiro turno pelo Senado, da PEC Emergencial,  que permite a volta do auxílio emergencial no Brasil, o general da reserva afirmou que não ficou surpreso com a expressiva diferença nos votos da Casa: 62 a 16.

"Isso aí já estava precificado. Já tinha sido acertado junto com a Economia. Não tinha dúvida nenhuma que era necessário esse auxílio. A Economia ainda busca que haja algum tipo de compensação face a crise fiscal que não estamos vivendo", disse.